Teste o sistema de arquivos ZFS no Linux

Criado pela Sun para rodar no Solaris, o sistema de arquivos ZFS – sigla de Zettabyte File System –, além de suportar altíssimo volume de dados, oferece a possibilidade de montar armazenamentos de missão crítica com discos de baixo custo.

O ZFS não roda nativamente no Linux, mas vale instalar o pacote zfs-fuse para testar esse poderoso sistema de arquivos. O ZFS combina recursos de redundância e integridade de dados que geralmente só são encontrados em storages de grande porte.

Com ele é possível criar e gerenciar volumes lógicos, adicionar mais capacidade a um volume, compactar os dados para gerar menos I/O, fazer backup incremental e restaurar online com uma velocidade impressionante.

Existem dois modelos de redundância. Um é o espelhamento (mirror) e o outro é o RAIDZ (um raid 5 melhorado). Para ambos os modelos, é preciso usar discos com igual capacidade. Outro recurso interessante é que o ZFS tem 256 bits dedicados à verificação de integridade (checksum). Um dado corrompido é automaticamente identificado: o sistema utiliza uma cópia das informações para garantir correções automáticas.

Para testá-lo no Ubuntu, basta adicionar os repositórios do wiki oficial () e instalar o pacote zfs-fuse. Com dois pendrives (utilizei um de 128 MB e outro de 2 GB), você pode simular o crescimento de um volume. Veja os passos:

1) Inicie o daemon zfs-fuse:

#zfs-fuse

2) Crie um pool com o primeiro pendrive:

#zpool create volume_teste /dev/sdb1

3) Você pode obter informações com os comandos:

# zpool list
# zpool iostat
# zpool status -v
# zfs list

4) Para adicionar um novo pendrive ao mesmo volume, execute o comando:

#zpool add volume_teste /dev/sdc1

A capacidade do volume cresce logicamente:

[email protected]:/volume_teste# zpool list
NAME           SIZE   USED  AVAIL    CAP  HEALTH  ALTROOT
volume_teste  1,99G  17,4M  1,97G     0%  ONLINE  –

Referência:
http://www.sun.com/software/solaris/zfs_learning_center.jsp

Deixe uma resposta