Veja na íntegra carga de Tim Berners Lee para o Marco Civil

Veja a versão traduzida da carta aberta de um dos inventores da Internet a respeito da regulamentação do Marco Civil. Em prol de um possível combate ao crime organizado e de princípios estabelecidos, a privacidade da internet de milhares pode estar em risco. Tim Berners deixa claro que está preocupado e que devemos tomar partido.

Continuar lendo Veja na íntegra carga de Tim Berners Lee para o Marco Civil

Whatsapp já teve problemas três vezes com a Justiça brasileira

O Facebook Brasil voltou ao noticiário brasileiro nesta terça-feira (1º) por não contribuir com investigações da Polícia Federal e determinações da Justiça. É a terceira vez que a empresa recebe algum tipo de sanção por não ceder informações sobre conversas feitas por suspeitos de crimes no WhatsApp. O serviço de mensagens instantâneas foi comprado pelo Facebook em 2014 por 19 bilhões de dólares.

Dessa vez, o vice-presidente do Facebook na América Latina, Diego Jorge Dzodan, recebeu voz de prisão preventiva no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. A ordem partiu da Justiça Estadual de Sergipe após a rede social não cumprir decisão judicial de compartilhar informações de suspeitos de tráfico de drogas.

Continuar lendo Whatsapp já teve problemas três vezes com a Justiça brasileira

Mozilla propõe princípios para o bloqueio de conteúdo na internet

Após a Apple permitir que desenvolvedores de aplicativos para iOS criem bloqueadores de conteúdo, a discussão sobre esta atividade e suas preocupações ressurgiu. Esta prática já faz parte da experiência do internauta e ele demanda por isso – seja para evitar a exibição de anúncios, por proteção contra rastreamentos indesejados, para melhorar o desempenho da navegação ou para reduzir o consumo de dados. Independente dos motivos, a Mozilla acredita que a indústria como um todo precisa prestar atenção nesta questão.

De acordo com Denelle Dixon-Thayer, Chief Legal and Business Officer (responsável por toda a área jurídica e de negócios) da Mozilla, a proposta de “princípios para o bloqueio de conteúdo” tem como objetivo guiar os esforços do mercado e informar os usuários sobre os benefícios dessa prática e seus riscos, estabelecendo como e por que um conteúdo deve ser bloqueado, tendo em vista o respeito e as escolhas do usuário. Assim como os princípios de privacidade de dados orientam as operações da organização, esses princípios irão orientar os desenvolvimentos da Mozilla e os projetos que ela irá apoiar daqui para frente.

Tento como ponto de partida a missão de assegurar uma internet aberta, confiável e que dê o controle da experiência para o usuário, a Mozilla entende que o bloqueio deve considerar:

  • A neutralidade de conteúdos: os programas de bloqueio de conteúdo devem atender às demandas de seus potenciais usuários (como desempenho, segurança e privacidade), ao invés de bloquear categorias específicas de conteúdo (como publicidade).
  • Transparência e controle: os bloqueadores de conteúdo devem oferecer aos usuários mais transparência e controles significativos sobre as necessidades que ele está tentando resolver.
  • Liberdade: o bloqueio deve manter a igualdade de condições e deve atuar sempre com os mesmos parâmetros, independentemente da fonte do conteúdo. As publicações e outros provedores de conteúdo devem ter a chance de participar do ecossistema web aberta, em vez de serem permanentemente castigados, o que fecha a internet para seus produtos e serviços.

Veja mais no blog oficial.

8 sites que podem saber muito sobre você

Conhecer as profundezas da internet é constatar que a humanidade experimenta diferentes caminhos, quase sempre sem saber onde vão terminar. Os sites que listei o farão repensar na grandeza de ser um comum. Desfilar um nome popular pode ser sinônimo de entrar para a probabilidade de ser menos rastreado. Digo e repito: menos rastreado. Mas não entre em pânico. Eles também servem para encontrar amigos longínquos ou parentes que perdemos contato durante a jornada.

1) Pipl – https://pipl.com/

Uma espécie de Google de pessoas. Pipl (lê-se people) tem um motor de buscas treinado para vasculhar multiplas fontes. Tem até API para desenvolvedores e há empresas que usam para diversos fins, até oferecer uma publicidade digamos, bem direcionada.

2) Spokeo – http://www.spokeo.com/

Base de dados norte americana. Tem um excelente buscador de redes sociais. Chega a analisar mais de 60 redes e lista todos os perfis associados a um e-mail. Um detalhe: cobra para exibir os resultados. Parece que é um modelo comum neste meio.

3) Family Search – https://familysearch.org

Mapas de famílias e relações parentais. Mantido pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mormon), o site tem detalhes de quando as pessoas foram batizadas, entraram no país ou se casaram. Dados de filiação são obtidos por aí. Alguns tem até imagens de certidões!

4) Archivegrid – http://beta.worldcat.org/archivegrid/

Fonte com mais de 4 milhões de registros. Tem inclusive registros de famílias, embora este não seja o propósito final.

5) Freebase/People – http://www.freebase.com/people

Freebase, como o nome declara é um site que reune multiplas bases de dados. A de pessoas, tem mais de 4 milhões de registros. Guarda detalhes de profissão, etnia, medidas físicas, estado civil, dentre outros.

6) Peekyou – http://www.peekyou.com/

Busca informações de redes sociais, inclusive vindas do Spokeo. Parece ser um meta crawler.

7) Social Searcher – http://www.social-searcher.com/

Com o mesmo perfil de muitos, analisa dados de redes sociais. É mais fácil encontrar pessoas que usam intensamente sites como Facebook, Twitter e Instagram.

8) Comfibook – http://comfibook.com/

Especializado em endereços. De forma colaborativa (você aceita sincronizar sua agenda) o site agrupa informações de 130 milhões de registros.